exposição terra incógnita-bienal de dança

 

 

 

 

———————————————————————————————————————————————————————

 

———————————————————————————————————————————————————————

Esta instalação surgiu como uma proposta do prof. de dança e novas tecnologias Armando Menicacci (Paris VIII), à Bienal de Dança do Ceará, e foi realizada no Museu de Arte Contemporânea (MAC-CE), no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Com um grupo diverso, entre dançarinos e escritores, trabalhamos desenvolvendo propostas sonoras e interativas para a instalação. Foi muito interessante ter contato com tecnologias diferentes para desenvolver uma obra de arte…

A idéia era muito simples: um espectador entraria na sala, completamente escura, e, a partir do seu deslocamento, que era percebido por uma câmera infra-vermelha, a câmera passava a informação do deslocamento para um computador. O computador, usando uma linguagem de programação, disparava uma das propostas desenvolvida por nós, aparentemente ao acaso. A proposta era então enviada a uma das 8 caixas de som espalhadas nos cantos da sala. Na programação trabalharam Christian Delecluse e Brunno Galvão e na viabilização do Ernesto Gadelha e David Linhares.

O PROJETO: DA IDÉIA…


No negro da caixa craniana, pensamentos, sensações e lembranças se misturam sem solução de continuidade quer estejamos num estado de vigília ou de sono. Um fio heterogêneo e contínuo de palavras, de sons e de imagens mentais, se segue na obscuridade do crânio.  Se os constituintes destes discursos íntimos são pessoais, o modo de funcionamento destes momentos e destes percursos é idêntico para todos: associações livres ou neuróticas, contrastes, assonâncias lingüísticas, visuais, alucinações olfativas, tácteis, etc.

… À FORMALIZAÇÃO DE UMA OBRA


Sobre a constatação da riqueza da vida mental subjetiva e, às vezes, inexprimível, eu gostaria de criar uma instalação interativa exclusivamente sonora no escuro quase completo. Um único espectador por vez a penetra e lá permanece quanto tempo quiser.

Este espaço se tornará vivo apenas pelo som. Ele é como que habitado, freqüentado, transpassado por vozes espacializadas que são como outras tantas presenças se colocando em relação com o espectador.  São menos aparições e fantasmas, mas às vezes talvez, que voam no espaço da instalação, do que as vozes da consciência interna do espectador, seu espaço mental. O que será colocado em cena é o movimento obscuro – em todos os sentidos do termo – palavras e imagens mentais de uma pessoa. O espaço catalisa o temor, as esperanças, as ilusões e as decepções de cada um. Estas vozes estão em relação com os movimentos do espectador, ou seja, o espaço é restituído ao espectador em função de seus deslocamentos.

DESCRIÇÃO


Um computador ligado a uma câmera sensível ao infravermelho segue os deslocamentos do espectador mergulhado em uma obscuridade quase total. Um segundo computador recebe os dados do primeiro computador desencadeando e especializando os textos sonorizados em oito canais de áudio independentes,  em função dos deslocamentos do espectador.

As caixas de som estão situadas nos ângulos de um cubo imaginário a fim de criar um espaço sonoro em 3 dimensões. Os textos sonorizados são escolhidos em uma grande base de dados e são enviados e espacializados em função dos deslocamentos do espectador.  Este sai, naturalmente, quando quiser. Uma pequena luz é colocada sobre a porta de saída para que ele a encontre quando tiver necessidade.  Sobre o chão, há almofadas para que ele possa sentar-se, se desejar.

O som, sua espacialização e o negro da sala constituem os únicos elementos desta simples instalação. O aspecto complexo e interessante é a constituição de textos sonorizados e seu encadeamento no tempo bem como sua viagem no espaço.

ASPECTOS ARTÍSTICOS, TÉCNICOS E INFORMÁTICOS


Associamos, muito freqüentemente, as tecnologias digitais à imagem.  À margem do bombardeamento de imagens, eu gostaria de me concentrar sobre o som e realizar uma instalação puramente sonora na qual a espacialização participa da narração.

Eu me voltei aos meus estudos de musicologia e eu vi como a supressão de imagens, estando no escuro, é capaz de levar a percepção do som à criação de imagens no espírito do espectador. Com escritores e artistas de Fortaleza, eu gostaria de, então, criar uma história que seja suscetível de representar seus próprios imaginários. Respondendo às necessidade pessoais e locais, mas se abrindo, graças aos olhares críticos de todos sobre os aspectos simbólicos que permitem aos textos sonorizados serem mais simbólicos e gerais.

Para as questões mais técnicas, ligadas à informática, eu estou em contato com Brunno Galvão que desenvolveu um sistema de tracking que será aplicado à instalação para seguir os deslocamentos do espectador.

ASPECTOS PEDAGÓGICOS


Esta instalação é concebida também como um container que podemos preencher com diferentes histórias de inúmeras escrituras. Ela é o produto, também, da minha experiência pedagógica sobre as relações entre a presença cênica e as tecnologias digitais. Como eu já preparei uma parte dos mecanismos de interação e de sucessão das partes é interessante desenvolver um aspecto pedagógico da instalação que permitiria reunir artistas de Fortaleza em um ateliê de escritura interativa para que uma(s) história(s) seja(m) escrita(s) coletivamente, e dessa forma pudesse ser colocada nesta máquina narrativa. Nós vamos juntos também programar a espacialização sonora: decidir quais movimentos do espectador devem coincidir com que texto, bem como determinar para qual direção o som sairá.

As questões pedagógicas tratadas para esta realização são:

– escrita de uma narrativa aberta;

– a dramaturgia da interatividade,

– o espaço da instalação como teatro,

– a espacialização sonora e musical.

Imagens da sala com os equipamentos:

PROPOSTA: As chaves certas abrem as portas certas

1) Sons de portas sucessivas se fechando (percurso do som em todas as caixas, noção de espacialização), como para ilustrar que ele acabou de entrar num ambiente e que as portas deste ambiente se fecharam.

2) Sons de chaves caindo, uma chuva de chaves. As chaves caem de caixas de sons separadas para dar a noção de espaços diversos, é como se elas estivessem em diversos lugares.

3) Começa a Música: The Private Psychedelic Reel, The Chemical Brothers, que tem um crescendo e instiga uma ação/deslocamento,

4) A música ao fundo em TODAS as CAIXAS, o texto começa a ser dito na caixa de som mais próxima ao espectador. Se ele se mexer, o texto o acompanha na caixa de som mais próxima.

1º momento: AS REGRAS / parado ou movimento (texto linear)

A) Um jogo em que possibilidades estão postas: a procura de uma saída

B) Por onde deve começar? Uma dica: Em todos os cantos, se você procurar vc pode encontrar.

C) Para sair, é simples, uma coisa depois da outra

D) Não basta achar a chave. A porta, como seu duplo, deve ser encontrada

E) As chaves certas abrem as portas certas

F) Pode ser que, ao procurar, acabe por encontrar, ou não

G) Uma chave, várias delas, apenas uma, a certa

H) Em todos os lados possíveis, uma porta, um labirinto às escuras

I) O começo e o fim é vc quem determina, como em toda procura, encontro

2º momento: NA PROCURA/ CHAVE

Na procura/ movimento (NÃO LINEAR)
J) Para encontrar é preciso procurar um pouco mais
E) As chaves certas abrem as portas certas
F) Pode ser que, ao procurar, acabe por encontrar, ou não
G) Uma chave, várias delas, apenas uma, a certa

Na procura/ parado (NÃO LINEAR)
K) Se vc não se mexer, nunca vai encontrar
L) Quem procura, pode encontrar, para tanto, a busca
M) Em toda busca, o risco se faz presente. O que você está esperando?
N) Para encontrar, você precisa procurar, em todos os lugares possíveis
O) De um lado para outro, talvez esse seja um percurso possível

SITUAÇÕES POSSÍVEIS
Se estiver na direção contrária:
P) Se vc for por ali, talvez encontre uma pista

Se estiver muito perto, em frente:
Q) Tenha paciência, às vezes, o que procuramos, está à nossa frente

PARA SINALIZAR QUE ENCONTROU A CHAVE:
(pode ser estabelecido em um lugar X do espaço ou depois de N minutos de percurso)
1º SOM chute da chave para frente,

2ºSOM / FRASE: (no deslocamento dele em direção à chave)
R) Com a chave na mão, basta abrir a porta. Qual delas?

3º momento: NA PROCURA/ PORTA (NÃO LINEAR)

S) A saída é sempre a mais óbvia, o que não quer dizer a mais rápida.
D) Não basta achar a chave. A porta, como seu duplo, deve ser encontrada
E) As chaves certas abrem as portas certas
F) Em todos os lados possíveis, uma porta, um labirinto às escuras

Na procura/ parado (NÃO LINEAR) repetição das frases
K) Se vc não se mexer, nunca vai encontrar
L) Quem procura, pode encontrar, para tanto, a busca
M) Em toda busca, o risco se faz presente. O que você está esperando?
N) Para encontrar, você precisa procurar, em todos os lugares possíveis
O) De um lado para outro, talvez esse seja um percurso possível

PARA SINALIZAR QUE ELE ENCONTROU A PORTA:
(pode ser estabelecido em um lugar X do espaço ou depois de N minutos de percurso)

1º SOM pessoa esbarrando numa porta

2º SOM barulho de porta se abrindo, outra proposta ou som: barulho de mar ou vento.